Correr é uma das formas mais fáceis e naturais de exercitar-se. É um momento em que a mente se descontrai, e trata-se de uma prática que oferece enormes benefícios ao seu corpo e saúde. Caso você o faça na companhia de seus familiares, a importância de correr transcenderá, convertendo-se numa fonte de dividendos bem superior.

É uma maneira de fomentar, na prática, um estilo de vida saudável para seus filhos, além de reforçar os laços de confiança familiares. A liberdade de compartilhar o exercício ao ar livre, fora dos contornos de uma escola ou do lar, favorece o diálogo e reforça o relacionamento.

Algumas crianças já nascem atléticas, outras têm um certo grau de queda para os esportes, e precisam de um certo empurrão. Há também as que relutam tanto, a ponto de parecer crueldade forçá-las a deixar a inércia. Mas as estatísticas nos compelem a tomar uma providência. Um quinto das crianças que moram em ambientes urbanos estão acima do peso ou obesas. Entre as de 10 e 11 anos, essa fração é um terço.

Crianças mais novas são velocistas naturais. Adoram se dedicar a correrias insanas, sem poupar energia alguma, até que não reste nenhuma. Uma parada é suficiente para se recuperarem e, no instante seguinte, já estão disparando novamente.

Esse pendor natural deve ser a tábua de resistência de pais que desejem tornar seus filhos mais ativos. É claro que você mesmo deve dar o exemplo – largue o sofá e sirva como inspiração.

As corridas infantis já não são novidade há um bom tempo. A São Silvestrinha, uma das pioneiras no Brasil, é realizada desde 1994. Em 97, Franck Caldeira, então com 14 anos, participou do evento. Nove anos depois, o corredor mineiro estava cruzando a linha de chegada da São “Silvestrona” em primeiro lugar.

Pensando nos pequenos, o Circuito Banco do Brasil de Corrida possui, em cada etapa, uma prova só para os pequenos, de 1km. É uma boa oportunidade para os futuros corredores darem seus primeiros passos e já irem se acostumando com esse universo, além, claro, da integração familiar.

Esse tipo de iniciativa é saudado pelo treinador cubano Lázaro Pereira Velásquez, radicado no Brasil desde 2000. Mestre em ciências dos esportes pela Universidade de Matanzas “Camilo Cienfuegos”, ele, porém, adverte os pais quanto a alguns cuidados, como tirar o foco da competição e evitar qualquer tipo de pressão.

“Apoio todas as atividades esportivas voltadas a crianças que sejam espontâneas e sem pressão. Incentivar é positivo. Correr favorece o desenvolvimento das atividades motoras da criança. O importante é participar. Sou contra corridas que premiem vencedores. O

interessante é distribuir medalhas para todos os participantes. E há uma grande diferença entre participar porque seu pai está pressionando e participar de uma forma descontraída, graças a um interesse genuinamente provocado”, salienta Velásquez, com a autoridade de quem ministra cursos de miniatletismo voltados para professores de educação física, sob a chancela da Federação Paulista de Atletismo